Um excerto do meu livro

Inês estendeu-se na cama. Sentiu uma enorme vontade de gritar. Era algo que raramente sentia. Mas o grito crescia-lhe forte na garganta e insistia em ser libertado. Os seus punhos estavam cerrados contra a cama, os seus olhos completamente fechados e a boca cerrada também. Abriu os olhos e respirou devagar e, de súbito, como um vulcão, o grito saiu-lhe alto, poderoso, um rugido agudo e tão arranhado. A lava saiu-lhe em forma de lágrimas, enquanto olhava o céu do seu quarto. O fumo invisível saiu da sua boca – a sua respiração, que ela não via mas escutava. Depois, um silêncio absoluto, preenchido somente pelo palpitar do seu coração.

Elisabete Martins de Oliveira

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.