Momentos em suspenso

Quando o nosso olhar fita o vazio, entramos num transe que pára no tempo. Nada mais importa, apenas aquele instante, apenas aqueles breves segundos ou minutos. Os olhos abertos fitam o nada, o vácuo; o cérebro processa apenas o essencial, a palpitação cardíaca desacelera, os músculos relaxam. Nesse instante, a sufocante ansiedade deixa de possuir a nossa mente, o nosso corpo. Deixa de apertar. Deixa de doer.

Pode parecer que estamos a sonhar acordados. A consciência está lá, o nosso corpo está presente.

Mas não tudo o resto. O que em nosso redor se encontra desaparece, por momentos, deixando-nos livres, livres do caos. Entramos lentamente no mar profundo da mais profunda consciência. E é nesse momento em suspenso que nos encontramos, que, mergulhados na pureza do nosso ser, encontramos a paz.

Elisabete Martins de Oliveira
11.03.2018

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.