Singularidade

Constantemente, procuramos alguém neste mundo que partilhe dos nossos ideais, crenças, valores e até emoções, na esperança de não nos sentirmos sós perante aquilo que defendemos. É por esse motivo que pertencemos a grupos, a comunidades, para sentirmos que pertencemos. Contudo, não existe ninguém que defenda com exactidão e precisão as nossas perspectivas e opiniões.

Existem autores, escritores, poetas, pintores, músicos e heróis nos quais nos inspiramos, dos quais retiramos lições de vida e até lemas, mas eles são diferentes de nós, porque cada um de nós é único.

Em cada parágrafo, em cada frase, em cada palavra buscamos algum sentido para a nossa existência, como se o que somos tivesse de ter um nome… mas e se não tiver? E se a nossa realidade for uma fantasia que ninguém compreende, reconhece, ou com a qual não se identifica? Existem tantos mundos dentro do nosso mundo singular que se torna impossível haver nomes e nomenclaturas para todos eles.

Há coisas que são só nossas. E devemos reconhecê-as como únicas, próprias de quem somos. E, para isso, não precisamos de alguém que nos reconheça ou nomeie quem somos realmente.

Elisabete Martins de Oliveira
31.03.2018

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.