Descobrir-nos a Nós e ao Outro

Cada pessoa é única em todo o seu ser. Ninguém existe no mundo que possa igualar a nossa unicidade, cada nossa peculiaridade. Existem, sim, semelhanças, talvez, de personalidades, de interesses, de perspectivas.

Mas nós somos sempre nós.

E isso é o que temos de único, que não devemos ocultar. Se todos assim o fizéssemos, descobriríamos muito mais do que a mera superficialidade do outro. Porque, na verdade, aquilo que desconhecemos dos outros é o que de mais único têm, mesmo que a nós nos pareça estranho e até invulgar. Mas esse é o seu verdadeiro Eu.

Quantos de nós não gostaríamos de por vezes entrar na mente dos outros, de saber o que pensam, o que sentem, o que esperam do mundo? Quanto de nós seria partilhado se realmente nos déssemos a conhecer um pouco mais?

Naturalmente, nem sempre iríamos apreciar algumas características do outro, mas questionemo-nos: quem, do nosso conhecimento, é perfeito?

Existe dentro de nós uma profundidade única, experiências que nos tornaram quem somos hoje. Se partilharmos algumas destas experiências, quem sabe se não encontraremos um espelho diante de nós, experiências semelhantes pelas quais o outro também passou?

Porque é nesta partilha de vivências que conhecemos, afinal, quem nós somos, e quem o outro é, perfazendo o caminho da descoberta e partilha da nossa verdadeira identidade.

Elisabete Martins de Oliveira
25.07.2018

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.