Janela Lisboeta

Janela Lisboeta,
tão esbelta, qual poeta,
o que escondes atrás de ti?

Que mistérios, que histórias,
que pecados e memórias
ocultas nesta fachada?

As paredes que te seguram
não falam nem murmuram,
mas será que recordam?

As cortinas que se escondem
detrás de ti, será que escutam
os meus humildes pedidos?

Janela em plena e rica Lisboa,
que felicita toda e qualquer pessoa,
sentes a alegria das tuas gentes?

Os azulejos azuis e amarelos
que te contornam são belos
como o gentil pôr-do-sol.

Mas o que de mais belo tens
é esse mistério que manténs,
quem sabe se o poderei desvendar!

Elisabete Martins de Oliveira
27.03.2019

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.