Aurora

     Antes do sol, as cores mágicas no céu inundam os meus olhos, num espelhar de emoções. Atento à forma destas nuvens, que se estendem como mantas sob um azul tão ténue. Este momento que antecede o nascer do sol é único, eleva a esperança que ainda existe em mim.

     Tal como o próprio sol se eleva no horizonte. Inspiro, bebendo esta energia matinal, escutando o silêncio que antecede a hora de ponta e toda a ansiedade de chegar a tempo.

     Expiro, por fim, libertando de mim todos os medos, todas as frustrações, todas as preocupações. Neste momento, nada mais existe senão eu e esta aurora magnífica.

     É tão difícil viver! E é por isso que me refugio na natureza, nos seus elementos mais simples. Preciso dela para suportar todo o peso que é habitar neste mundo tão complexo. Inspiro novamente, o ar tão puro nesta ausência de ansiedade. Da ansiedade de todos. Trago comigo toda a singularidade desta aurora, e fecho os olhos para a sentir em todo o meu corpo.

     A brisa que me arrepia os braços afasta-me de todos os pensamentos destrutivos. Permito que ela os arranque de mim. Permito que ela deles me desvie. Expiro toda a negatividade.

     Uma claridade surge – e eu sinto-a debaixo das pálpebras. Então, abro os olhos. O sol ergue-se, ao seu ritmo, no horizonte. Esta é a hora. Este será um novo dia.

 

Elisabete Martins de Oliveira

06.06.2019

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.