Os Portugueses (Parte III)

Mas onde está, então,
aquela vida que idealizaram,
aquelas férias de sonho,
e a promessa de uma vida menos agitada?

Parece que a vida não o permite,
e todos os dias
são o espelho do anterior,
a monótona e indesejada rotina.

E há contas para pagar,
já não há volta a dar.
Promessas e contratos feitos,
dívidas e incertezas perduram.

Oxalá houvesse outra maneira,
mas sabem que não.
Este é o sistema, a norma,
a lei da repetição.

Resta-lhes a esperança comodista
de que um dia tudo será melhor,
senão para eles, para os que vierem,
porque agora trabalham para a reforma.

Elisabete Martins de Oliveira
01.07.2019

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.