Os Portugueses (Parte IV)

Mas, oh, a reforma não é certa,
com tantos a viverem
de subsídios miseráveis,
sobrevivendo no limiar da pobreza.

Não é esta a realidade
que querem viver.
Ainda no outro dia,
um tio morreu muito novo.

Questionam-se se devem
esperar até à reforma
para serem felizes,
para viverem, sim, a vida!

Mas as obrigações e as responsabilidades
fazem-nos hesitar,
sabem que desta rotina
tão facilmente não podem sair.

Por isso, ficam felizes
com pequenas conquistas,
guardando a esperança vã
nos seus frágeis corações.

 

Elisabete Martins de Oliveira
09.07.2019

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.