Uma carta para o amanhã

Inglaterra, 6 de Maio de 2020

 

Querido Mundo,

Escrevo-te esta carta em jeito de desabafo. Sei que presencias o que se passa, tal como eu. Sei que assistes ao sofrimento diário de cada pessoa que em ti habita. Como é carregar esse peso nos ombros? Consegues lidar com toda esta crueldade?

Pois eu não. A ansiedade consome-me, a incerteza do que será o amanhã, e de quando ele virá. Na maior parte das vezes, consigo manter-me calma, mas há alturas em que me preocupo, e me pergunto: quando? Quando poderei viajar livremente? Quando poderei continuar a perseguir os meus sonhos?

Toda esta situação foi inesperada. Aquele que seria, para muitos de nós, a promessa de um ano novo, para uns até um recomeço, acabou por se tornar na suspensão de um sonho. Ou no adiamento deste. Para mim, dois mil e vinte, como eu o tinha imaginado, seria um ano de uma mudança pessoal e profissional profunda. O ano em que abandonaria as amarras do trabalho por conta de outrem para trabalhar por conta própria. E isso aconteceu, mas não da maneira que eu esperava. Tenho muitos projetos que envolvem o exterior. E, agora, estão suspensos, no papel, à espera de serem concretizados. Tenho de ser paciente.

Uma das coisas que mais me custa, Mundo, é ver como as pessoas se estão a ir abaixo. Muitas recorrem a terapias, porque o isolamento acentua problemas que, quem sabe, já existiam antes desta pandemia. Esta é uma altura em que estamos a ser confrontados com o nosso verdadeiro Eu, e com o Eu de quem mais estimamos. E essas descobertas podem ser ou não tão positivas quanto esperávamos.

E, depois, existem as pessoas isoladas. Ainda ontem vi uma plataforma elevatória que permitia aos visitantes ver as pessoas dentro dos lares, através das janelas, no primeiro andar. As lágrimas não mentem. A saudade é tanta que apetece correr o risco e saltar até à janela para abraçar o/a idoso/a que lá está dentro e que não pode sair. Mas não podemos arriscar. A distância tornou-se um ato de amor. Como é que o sentido deste ato foi invertido da proximidade, pela atenção incondicional, pelo amor, para uma distância de dois metros? Desde quando é que estar longe da pessoa significa que nos preocupamos verdadeiramente com ela? Esta tornou-se numa nova definição.

Mundo, eu espero que, depois de tudo isto passar, (embora não saibamos quando ou se vai mesmo passar) as pessoas não tenham receio de abraçar, de beijar, de dar um aperto de mão! Eu sei que esta pandemia vai ser um trauma, uma doença que vai deixar mazelas. Sei que o retorno vai ser, no mínimo, angustiante. No fundo, é como regressar da guerra: uns morrem, e outros regressam, mas com resquícios de trauma para a vida e o stress pós-traumático que neles ficará inscrito como uma tatuagem.

Mas quero que não tenhamos medo. Quero que possamos voltar ao que éramos dantes. Quero que os afetos voltem a fazer parte dos nossos dias. Caramba, se há coisa que a quarentena mostrou, é que morremos de saudades de quem mais estimamos. É tão triste, esta distância, esta ausência do toque da ternura… Só quero que tudo volte ao normal, o que quer que isso seja. Peço apenas um regresso harmonioso e repleto de afetos.

Que esta estúpida pandemia nos faça repensar quem somos e o que queremos da vida, mas que não nos faça esquecer do quanto dependemos do amor para viver uma vida plena.

Obrigada, Mundo, por ouvires o meu desabafo. Até um dia.

 

Com amor,

Elisabete Martins de Oliveira

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.

2 thoughts on “Uma carta para o amanhã

  1. Prima revejo me nos teus desabafos
    É preciso perder para depois se ganhar e acreditar que dias melhores virão
    Vamos ter Esperança num amanhã MELHOR
    Eu creio
    Não vou desistir
    Coragem, Força
    Beijinho GRANDE do tamanho do Mundo 😘

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s