Genuína emoção

Pergunto-me quantas emoções cabem dentro de um coração ao mesmo tempo. Como quando apanhamos conchas na praia e tentamos segurar tantas ao mesmo tempo que, a certa altura, elas começam a transbordar, caindo de volta na areia.

Será possível sentir uma alegria imensa e, ao mesmo tempo, uma tristeza tão grande que quase nos sufoca? Será que podemos sentir a nostalgia de um tempo em que não vivemos, como ter saudades dos Queen originais sem nunca ter visto um concerto seu? E, ao mesmo tempo, sentir uma gratidão incomparável por viver no presente? Eu acredito que o coração é um órgão frágil e, no entanto, sustenta as emoções. A vida. Sente tudo isto e vive, a cada batida.

A cada palpitar por amor.

A cada batida descompassada por medo.

Sinto o meu coração a transbordar de emoção tantas vezes que não sei se hei-de rir ou chorar – e, muitas vezes, acabo por fazer ambos ao mesmo tempo. É como se as regras para as emoções deixassem de existir e o meu corpo entrasse em modo flutuante, provocando todo o tipo de reações possíveis.

E é tão bom sentir tudo isto! Deixo-me levar pela corrente que as emoções nos trazem, permito que elas me invadam todas de uma só vez, numa sincronia que só é possível quando abrimos o nosso coração. Porque só sentimos se nos permitirmos sentir. Se fecharmos a torneira das emoções, elas começarão a acumular- se e, a certa altura… boom!, elas transbordarão. Afinal, elas não podem simplesmente permanecer encurraladas, apenas porque tu as escondes. Mais dia ou menos dia, elas libertar-se-ão.

Fascino-me pela complexidade de sentimentos que podemos nutrir. É incrível como nenhum de nós é bom ou mau – apenas um valor numa escala de tons – onde tanto podemos ficar numa posição favorável como não. Esta escala é mutável ao longo da vida. Há momentos em que podemos ser vistos como santos e, noutros, como perversos. Os nossos julgamentos e sentimentos predominantes dependem sempre da quantidade de valores favoráveis contra os favoráveis nesta escala. A complexidade intensifica-se.

E, no entanto, o mais importante é viver. Sentir todas as emoções e compreendê-las. Viver com mais intensidade a alegria, celebrar cada conquista, ir ao encontro dos nossos sonhos. Viver! Fazer da nossa vida algo para recordar. Porque, isso sim, é o que faz a vida valer a pena. De outra forma, qual seria o nosso propósito aqui?

É por tudo isto que gosto de me sentir repleta de emoções, a transbordar delas quando as sinto invadirem-me, num turbilhão. É nesses momentos que eu sei que estou viva. Que sinto! Que sou um ser humano. Que sou genuína. Então, que venham todas essas emoções em flecha! Que me relembrem, dia após dia, que eu estou a viver. Em plenitude.

Elisabete Martins de Oliveira

09.09.2020

Publicado por

Nascida no dia da Liberdade, trago-a comigo na mente todos os dias. Sou companheira da Natureza, da sua simplicidade e complexidade, e aprecio o seu silêncio e os seus tão magnos sons – especialmente os do Mar. Tenho um encanto pela Música, pela inspiração que me traz para todos os momentos da minha vida. Sou apaixonada por viagens e autocaravanas, e por tudo o que o mundo me pode ensinar. E sou amante da Escrita, aquilo que me define, o mais incrível e deslumbrante modo de vida que consigo conceber.

2 thoughts on “Genuína emoção

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s