Permanência

Enquanto a paisagem não muda, enquanto as palmeiras não esmorecem, eu quero aqui viver. – Porque viver é olhar para o que me é familiar, contemplar o que fica. – É crescer e saber que o que ali está permanece e que jamais irá mudar. Elisabete Martins de Oliveira 02.10.2020

Ler Mais

Encontro

Encontro o teu olhar perdido nesta imensidão de escuridão, e pergunto-me o que terá acontecido se nele só vislumbro a solidão. Aproximas-te, com hesitação, o teu olhar fitando o meu, nesta penumbra de indagação, neste lugar, escuro como o breu. Lanças-te nos meus braços, e eu envolvo-te com os meus, o silêncio pautando os teus […]

Ler Mais

Emoção

Eu vivo a emoção com uma tal intensidade que a minha respiração se torna ansiedade   O amor, este sentimento, ressoa em mim como eco num concerto, como uma flor no jardim.   A tristeza reverbera como um diapasão numa sala de espera, à espera de uma razão.   A alegria que em mim ecoa, […]

Ler Mais

Sentir

Escrever é sempre escrever, é saciar a alma com palavras e deixar a imaginação fluir.   É uma arte que se cultiva, como uma bela flor, que nasce connosco.   É a falta de ar que vem com cada palavra, cada frase, cada capítulo.   É a impossibilidade de não dedilhar e escrever que determina […]

Ler Mais

Mar agitado

Mar, grande mar agitado, tu sacodes as proas dos barcos, despertando-as do silêncio e da quietude.   As nuvens que te sobrevoam adivinham chuva, mas é o vento forte que te faz oscilar assim.   Mar, grande mar, fazes das ondas a tua casa, o teu único refúgio.   E vagueias por este mundo, vivendo […]

Ler Mais

O apelo da Primavera

Lá fora, crescem, lentos, os rebentos das flores. Tantas cores, tanta alegria!   As árvores ganham folhas, e tu olhas para a beleza, essa certeza do amanhã.   Os pássaros cantam, livres, tão felizes nas suas vozes, voos velozes e graciosos.   Contemplas a Primavera, nova era deste ano, em tom soprano, límpido.   E […]

Ler Mais

Barco

Barco, que te vais, que navegas pelo mar, como os velhos ancestrais, irás, um dia, regressar?   A tua silhueta, perante o lindo crepúsculo, consigo acarreta um segredo no opúsculo.   Em teu redor, as ondas despertam majestosamente a quietude das crenças dos que amam profundamente.   É esta a despedida, sob o canto das […]

Ler Mais

Família

Resiliência, característica de reverência.   Viver, crescer, lutar, e vencer!   Sente a união, de força, é bênção!   Dá amor, apoio, e calor.   Vive tudo isto, e revive!   Reconhece, sempre, e agradece!   Elisabete Martins de Oliveira 18.03.2020

Ler Mais

Incompreensão

Eu queria compreender, mas não consigo.   A dor que as coisas causam é imensa e indomável.   Sinto que, por vezes, não consigo derrotá-la.   Embora eu tente, muitas vezes caio.   Caio na incompreensão do porquê de tanto mal.   Queria apenas a paz, a ausência de sofrimento.   Será isso pedir muito? […]

Ler Mais

Alegria

Que alegria imensa, esta, de estar viva!   Que alegria que é escrever numa página em branco!   Que alegria que é sentar-me e respirar fundo!   Que alegria que é contemplar a Natureza!   Que alegria que é abraçar quem amo!   Que alegria que é poder viver tudo isto!   Elisabete Martins de […]

Ler Mais

Fôlego

Não énem seráo último, este fôlegoque sou,que respiro. Sou quem sou,agora, aqui,neste momento. E abraçoo presentevivendo-o. A vidapassanum sopro, por isso,eu quero vivê-lahoje, agora, sempre. Elisabete Martins de Oliveira12.02.2020

Ler Mais

Poesia

E há quem ainda olhe o mundo sob os olhos da poesia. E nele vê encanto, inspiração, beleza, contemplando o amanhecer. Mas sente a tristeza, o roer do arrependimento, a chuva da dor. E, perante as emoções, sente-as intensamente, vive-as como suas. Nessa maravilha que deslumbra, olha o mundo inteiro pelos olhos da poesia.   […]

Ler Mais

Escrita

Afio o lápis uma vez mais. A pressa escapa-me pelas mãos. A ânsia desfaz equívocos. A gana de escrever é grande, magna. As palavras soltam-se, velozes, no papel. Ganham asas vindas da imaginação. A escrita liberta-se do lápis, da mão, da alma, Numa magia que me eleva. E eu atendo aos seus pedidos. Debruço-me sobre […]

Ler Mais

Chuva

Chuva que cais na janela, deixas-me a reflectir. O céu cinzento que te antecede encobre a alegria e apreende a tristeza. As árvores despidas, os ramos revelados, dançam ao vento enquanto os molhas. Chuva, tu reges o mundo, dás-lhe vida, dás-lhe cor, és importante! Mas eu prefiro abrigar-me de ti, junto à lareira, a ouvir-te […]

Ler Mais

Memória

Ó memória, tu levas-me para lugares distantes. Levas-me para a felicidade, para a minha origem. Lembras-me da minha casa e do meu sol. Lembras-me dos que mais estimo, do calor do afecto. Contigo, regresso até à Lagoa, até à Serra. Até me recordas da minha Lisboa ao amanhecer. Contigo, percorro os caminhos da alegria, e […]

Ler Mais

Caminho

O caminho é uma escolha que fazemos todos os dias. Um dia, numa direcção, e no outro, numa outra. Por vezes, é fácil, mas noutras, bem difícil. Contudo, o caminho que escolhemos é sempre uma decisão nossa. E escolhemo-lo porque nos parece, no momento, a escolha acertada. Mas será que sempre é? Não. Claro que […]

Ler Mais